ENSINANDO NUM CRUZEIRO

continuando - Parte IV

Note que é a declinação dada em 1990 é 19º 45 W e tem um aumento anual de 8´.
Como já se passaram 11 anos, pois estamos em 2001, temos que multiplicar 11 por 8, que nos dá 88´ = 1º 28´.
Adicionamos este valor ao de 1990 e obtemos a declinação local de 20º 78´, que é 21º 18´ ~ 21ºW.......................
Tínhamos determinado na carta náutica que o Rumo Verdadeiro era 90º, como a agulha magnética na bússola é desviada para o Oeste (W) de 21º, temos então que somar os 21 no rumo .
R mag = 111º
A bússola de barco tem a seguinte cara
Como temos que seguir rumo verdadeiro de 90º graus colocamos a bússola no rumo 111º , como tínhamos calculado.
Se na saída do Canal de Bertioga colocamos a bússola neste rumo , o barco seguirá o rumo real na terra de 90º em direção a Iha Montão de Trigo.
Tínhamos determinado na carta náutica que o Rumo Verdadeiro era 90º, como a agulha magnética na bússola é desviada para o Oeste (W) de 21º, temos então que somar os 21 no rumo .

R mag = 111º

 

A bússola de barco tem a seguinte cara

Como temos que seguir rumo verdadeiro de 90º graus colocamos a bússola no rumo 111º , como tínhamos calculado.

Se na saída do Canal de Bertioga colocamos a bússola neste rumo , o barco seguirá o rumo real na terra de 90º em direção a Iha Montão de Trigo

Tudo preparado, Pedra do Corvo no través , partiiiiiiiiiiiiiiiimos. (como diria meu amigo Português)

Com as velas armadas, estávamos motorando , podíamos ver a Ilha de Montão de trigo, pois não havia vento e o céu estava sem nenhuma nuvem.
A visibilidade era ótima.
Aproveitando a situação calma , Gerard me chamou e pediu para que eu montasse um esquema das vigias e turnos.

Este esquema deveria ter sido programada antes da partida, mas...

Inicialmente fiz um levantamento do pessoal disponível.

TABELA DOS TRIPULANTES
nome
Experiência
função
Gerard Tinha velejado muito de Laser em represas dono
Fabio (eu) Alguns cruzeiros oceânicos professor
Nenê ( amigo) Alguns cruzeiros oceânicos fotógrafo
Beni ( esposa de Gerard) Dona de academia personal training
Leocádia ( babá) Travessia Rio - Niterói visual nota 10
Begê ( o garoto prodígio) Campeão de batalhas navais usucrinar
Maria ( cozinheira) Quitutes marítimos PB

Acho que a minha primeira iniciativa foi rezar, mas nenhum santo iria me ouvir com essa tripulação.Desisti.
Já que nunca fugi de uma responsabilidade comecei a trabalhar.
Para que a apresentação do esquema ficasse fácil de entender procurei utilizar desenhos.

CONSIDERAÇÕES SOBRE A COMPOSIÇÃO DA TRIPULAÇÃO
 

Um pessoa com grande experiência e um bom estado físico pode navegar ao redor do mundo sem escalas, com ou sem tripulação adicional.

Se considerarmos a essa pessoa com 100% de experiência, poderíamos pensar que duas pessoas com experiência de 75% (3/4) e 25% (1/4) respectivamente igualariam ao primeiro, ou ainda quatro homens com 25% de experiência alcançariam os 100%

Mas na prática as duas pessoas alcançariam uns 70% da experiência total e as quatro ficariam com só 50% de experiência da total.

Os desenhos de baixo tentam descrever a capacidade de uma pessoa de boa forma física de se manter desperto.

Uma guarda de 12 horas com bom tempo causa muita fadiga.

 

GUARDAS NOTURNAS


Durante uma travessia o estado de alerta da tripulação cai consideravelmente principalmente ao redor da meia noite e começa a melhorar com a aparecimento da luz do dia.

Uma tripulação de três pessoas composta de um com boa experiência e os outros dois com menos experiência poderiam montar guarda como segue

Das
20:00 à 24:00 (as duas de menos experiência)
24:00 à 03:00 ( o experiente)
às 03:00 o experiente desperta um dos dois tripulantes menos experientes.
às 04:00 o experiente desperta o outro tripulante e vai dormir .

Este esquema cobre o período de vigilância que é coberta pelo que tem maior experiência.




   

Um cruzeiro é tão mais seguro quanto melhor a sua tripulação.

Um Veleiro rápido que navegue até 8 nós , com uma média de 5 nós poderá levar uma família composta de um pai com experiência de 75% dois meninos com experiência de 50% cada um, e a mãe pouco familiarizada com a tarefas.

Essa tripulação pode fazer um cruzeiro de 36 horas em uma viagem de duas semanas com um total de 400 à 600 milhas.

O diagrama lateral indica o número de horas de navegação por dia em relação a formação da tripulação (pessoas ao lado)

O esquema teórico estava muito bom, mas deixei a cargo do Gerard montar a parte prática. Passei o Mico para ele.



O tempo tinha passado rápido e já estávamos diante da Ilha Montão de Trigo. 

Resolvemos passar o dia ancorado ao largo da Ilha e esperar que entrasse , algum vento. Aproveitaríamos para completar a avaliação do comportamento do barco, apesar do mar calmo.

A aproximação foi feita lentamente e coube ao Nenê soltar a ancora, mas tomando a frente Beni quis mostrar que uma mulher (atleta) poderia fazer facilmente esta tarefa. Posição acertada e Gerard gritou soltar ancora e Beni prontamente soltou.

Achei estranho pois não ouvimos barulho da corrente rolando e Gerard gritou novamente solte a ancora Beni. Ela respondeu gritando também, já soltei.

O Gerard resolveu trocar a ancora velha por uma nova, mas esqueceu de prende-la na corrente, obviamente a Beni tinha acabado de jogar a ancora nova fora.

Já tinha presenciado um amigo soltar a ancora com o cabo, dar ré, e esquecer de prender o final do cabo no elo de segurança dentro do paiol da ancora, mas jogar a ancora fora foi a primeira vês.

Estávamos á quatro horas navegando e já tinha começado as trapalhadas............