ENSINANDO NUM CRUZEIRO
continuando - Parte XI

o conceito da direção e velocidade dos ventos

Decidimos que na manhã seguinte iríamos de qualquer jeito deixar a ilha, mesmo se fosse com "vento de porão" - termo usado pelos velejadores para indicar que foi ligado o motor.
Após a aquela deliciosa noite, dormimos muito bem.

Bom, de novo aquele badalar do sino entrando pelos ouvidos de toda a tripulação.
Era o Gerard com seu jeito amável de nos acordar. Estávamos todos no convés para a grande arrancada. Vento Leste 15 nós: perfeito.

Levantamos as velas mestras e a âncora ... Tem que ser desta vez – pensei -, pois meu saco já não agüentava mais aquela ilha.

Fomos a motor até sair da sombra da Ilha.

O vento começou a se fixar, abrimos a Genoa (a vela que fica na proa) e ela logo estava trabalhando.
Colocamos o barco no rumo e regulamos as velas.
Estávamos deixando a Ilha, por incrível que pareça.

O veleiro deslizava suavemente naquele mar quase sem onda, enquanto uma quantidade imensa de golfinhos nos acompanhava com um balé incrível.


Foi uma festa aquele espetáculo (!), mas o que mais me chamou a atenção foi como o Chico (gato) ficou vidrado naquelas espécies.

Acho que ele estava imaginando como poderia transformá-los em um grande almoço.

Estava no timão e o painel mostrava que a velocidade do vento era de 10 nós e a velocidade do barco era 5 nós.

Benge ficou intrigado, e não entendia por saber falávamos que a velocidade era em nós.
Como era a minha função, tentei explicar como funcionava.

O fundamental é saber como se mede distância numa carta náutica de projeção Mercator.
Temos as seguintes definições:

A definição da Milha Náutica

Usando o conceito de Radiano, definimos que:
Definição de radiano


Um ângulo no centro da terra de 1’ (um minuto de arco) corresponde a um arco na sua superfície de comprimento de 1M (milha náutica).


Considerando, de acordo com esta definição, que o raio da Terra é constante, chegamos a um comprimento médio do arco na superfície da Terra de 1852 metros.


Obtemos uma relação direta entre o ângulo no centro da Terra com o comprimento do arco na sua superfície.


Tendo a relação de 1' de arco igual a 1 milha náutica, utilizamos a escala das Latitudes para medir distância.

Note que para se medir uma distância de 25 milhas náuticas é so levar o compasso para a escala de latitudes, e abri-lo em 25 minutos de arco.
Definição da velocidade utilizada por embarcações

Uma vez definido como medir distância nas cartas náuticas, podemos definir a velocidade.

Se uma embarcação percorrer uma milha Náutica em uma hora, dizemos que sua velocidade é de 1 nó.

Essa unidade NÓ, vem do fato que antigamente se media a velocidade das embarcações utilizando-se de uma corda com nós espaçados em igual distância.(figura abaixo)
.

Essa corda era lançada na água e eram contados os nós por unidade de tempo.
Quanto mais rápida a embarcação, mais se corriam os nós
(O Benge até que entendeu, pois foi logo procurar sua mãe para perguntar se ela sabia que o nó era velocidade. Ela não sabia ...)
Desde que temos a unidade de velocidade como sendo o Nó, a utilizamos também na velocidade do vento.

O aparelho que mede a velocidade e direção do vento é chamado de anemômetro.

O fato de o veleiro estar em movimento, o registro da velocidade do vento não é a real e sim uma componente, que chamamos de velocidade aparente.







Os aparelhos que medem a velocidade do vento têm a opção de dar no display a velocidade real, não sendo necessário fazer contas.
 

Definição da direção do vento

 

Sempre a direção do vento é de onde ele vem.

Quando ouvimos dizer que está entrando um vento SW (Sudoeste), implica que o vento vem do SW. Na verdade, ele está indo para NE.
 

Quando o vento é NORTE ele vem do norte com direção para o SUL



Consultando o Anemometro tiramos que

velocidade do barco e a
velocidade aparente do vento, podemos calcular a
velocidade real
utilizando a rosa dos ventos da carta náutica.



Cálculo da velocidade real do vento


O veleiro está se deslocando com a velocidade de 5 nós num rumo 180º verdadeiro, e o anemômero está indicando um vento com as seguintes características:

velocidade (aparente) = 10 nós
e indicando que o vento está a 90° a meu BE
Como estou a 180° o vento é "E", mas está no rumo de 270º

Utilizando a rosa dos ventos podemos calcular o vento real, como você pode ver no desenho.

Utilizo como unidade de medida a milha náutica, pois estou usando a carta náutica.

Com o compasso tiro 10', que corresponde a 10 milhas, e ploto na direção do vento aparente. O mesmo faço com 5 milhas no rumo do veleiro. Ligando a mediatriz do retângulo, tiro a velocidade real do vento. Isto é a Soma Vetorial de duas velocidades.
O veleiro estava aumentando sua velocidade, o mar estava calmo e o vento constante de 10 nós.

O dia estava claro e já estávamos avistando a Ilha de Alcatrazes. Este era nosso Waypoint (ponto de chegada).

Estava previsto que faria uma medida de posição no meio do trajeto para mostrar como se utilizava o sextante como instrumento de navegação costeira.

Bom, essa é para a próxima ...